NOITE


Há uma noite em mim.
Seus silêncios me cercam.
Suas escuridões me tomam, redoma de medos.
Vivo à noite permanentemente,
em silêncio para não perturbá-la,
escondida em planos negros e penumbras.
A noite, dentro de mim,
não tem fim nem começo.
Vivo à noite sempre,
esperando um sol
que venha me amanhecer.

2 comentários:

CapaEspada disse...

Noite cheia de estrelas

Noite alta céu risonho
A quietude é quase um sonho
O luar cai sobre a mata
Qual uma chuva de prata
De raríssimo explendor

Cândido das Neves

A cada música citada eu canto com meu violão.

Bons comentários, alegres, otimistas.

Saramar disse...

Zorrotonto, você é muito interessante! Ador pessoas que tocam violão. E está me fazendo relembrar músicas há muito esquecidas. Obrigada