NÁUFRAGO


Andei pelos meus sonhos para colorir a noite de meus olhos
Acordei buscando o sol naquela noite, onde, encontrei você.
Solitário, soluçava diante das estrelas despidas pelos ventos
Beijei a lembrança. Abracei a sua foto, desvelei o seu rosto,
Espalhados em meus olhos molhados
Pelos fragmentos de felicidade
Empalhadas em meu corpo estirado no vazio
Esqueci você dentro de mim
Sou náufrago do tempo.
Embalado pelas marés
Ondulantes que navegam meu coração.
Passageiro das ondas do mar.
Sobrevivente dos mergulhos
Nas nascentes do amor,
O amor dividido, desajeitado, desejado.
Grito sem esperança de um abandono voraz.
Fico mudo! Permaneço calado, nos afagos silenciosos
Daquele último sorriso regurgitado na memória.
Conversei com a ilusão prometendo não mais sonhar
Esculpi meu desejo traçado nos castelos de areia.
pelos devaneios presos nos liames das lembranças
costuradas nos retalhos do passado.
Hoje meu futuro.
Guardo embaixo do tapete, passagem obrigatória deste
Náufrago, rastejante de lembranças doloridas
Do presente.
Wilton Chaves

12 comentários:

Wilton disse...

Olá!
Querida Saramar, fiquei muito emocionado. Agradeço a oportunidade de colocar em exposição no seu Falares, um blog que é construido pela arte de poetar, um texto de minha autoria.Desejo para você, uma ótima semana. Um beijo enorme para esta doce e linda blogueira.

Angela Ursa disse...

Saramar, muito bonito mesmo o poema do Wilton! Beijo da Ursa

LCMarques disse...

Quem leu, olhou para um espelho.
Beijos e parabens pelo espaço de poetas, acho que qualquer dia irei me aventurar em escrever.

Jean Scharlau disse...

Salve, Saramar! Boas venturas a ti e a teus leitores e leitoras. A Feira não é exatamente uma feirinha, como vais ver caso acompanhes as novas lá no blog. Abraços.

Lia Noronha disse...

Saramar: encontrar uma das poesias do varal do nosso amigo Wilton é muito gratificante pra mim,já que sou sua
leitora assídua.
vc sempre carinhosa com os amigos Saramar...não é a toa que tem o mar no seu nome!
beijos bem carinhosos e uma semana nota mil!

terragel disse...

SARA, que texto maravilhoso! Vc, como sempre encontrando jóias da lingua portuguesa para nos brindar.
Bjs

YoHannah disse...

¡Bello poema, Saramar!

He leído tu "conjuro" en mi Blog y ojalá se cumpla cómo tú dices. ¡Gracias!
En Galicia, España, dicen: "¡Em bruxas non credo, pero haberlas, haylas!" De manera que espero una legión de buenas bruxas que cambien los corazones de los seres humanos y los vuelvan a los valores eternos del amor y del cuidado de sus semejantes y de esta Gaia que nos acoje y da la vida.

Un abrazo muy fuerte.

Hannah

Janaina Staciarini disse...

Saramar, o Wilton é mesmo um show né? Acho as coisas que ele escreve lindas... Tudo a ver com seu blog. Beijos.

CapaEspada disse...

Minha bruxa querida,

A sua visita foi simplesmente mágica.
Me sentí criança.
Obrigado pelos doces em forma de poesias.
Beijos

margusta disse...

Bonito poema o do wilton, adorei.

Gostei da tua mensagem lá no meu cantinho, sobre as bruxinhas...fez-me lembrar de "Brida" de Paulo Coelho, esse livro deixou-me fascinada.

Beijinhos.

Illusion disse...

Bom, obrigado por ter ido em meu blog... Gostei muito de sua preseça e de seu blog... Tá de parabéns, bjos!

Santa disse...

Saramar, bela Saramar!

Obrigada pela visita de hoje, e fiques certa: sobrevivemos a mais um dia das bruxas...