NUVENS


Às vezes, esqueço de sonhar
e só me lembro ao entardecer,
quando o beija-flor vem
comer na vasilha dos cachorros.
Então me lembro de olhar minhas flores
e vejo que a gloxínia floriu.
Branca com bolinhas vermelhas.
Desato, então, a sonhar como nuvem.
Sei que nuvens sonham
senão não seriam bicho, gente, beijo.
Viagens por céus e mares,
Beijos, flores outras e amores.
Imagino largos vôos.
Nem consigo voltar.
Fico lá
nas nuvens.

Saramar

4 comentários:

LCMarques disse...

Não sou poeta, mas vou colaborar com o que gosto:
Egberto Gismonti
"Ir porque é necessário
Voltar porque a saudade bate
Na ida, a esperança de melhora
Na volta, o reencontro consigo mesmo..."

El Coruchero disse...

Lindos poemas!
Um beijo para você.
El Coruchero

Roger disse...

Olá, belo poema!!! Só passei aqui pra dar um oi.

Bjs.

Angela Ursa disse...

Saramar, adorei o beija-flor comendo na vasilha do cachorro. Beijos e obrigada pelo texto bonito