VENENO


Eu te amo tanto.
não acaba essa agonia
nem o veneno se desfaz.
teus vestígios, minha gula,
meus pecados, meu medo
e a eterna penitência
de te amar sem esperança.

Nem sabes do tanto que te amo
nem pensas nos sonhos alheios
em que meu coração se mira
para inventar o fogo dentro da noite.

E tuas mãos, tuas mãos
que imagino me revirando o sangue
o avesso de mim todo se desfazendo.
Veneno,
teu inocente veneno.

Saramar

Imagem: Oberon Studios

5 comentários:

Angela Ursa disse...

Saramar, do veneno do amor é difícil escapar. Beijos da Ursa da madrugada :))

Tiago disse...

Nossa! Forte, pungente! Cada vez me encanto mais por sua poesia, escritos instigantes sobre o amor e outras coisas.

Beijos.

Joana Dalila Santos disse...

bota veneno nisso

Moita disse...

� fiquei envenenado...

14 cheiros

Ordisi Raluz disse...

Teus vestígios minha gula...

Beleza, Saramar.

Beijos, com vestígios gulosos.