INVERSO



Meu amor?

é quimera
para enfeitar versos.
uma armadilha,
um amontoado
de sonhos
em palavras mal arranjadas.

o meu amor é corrente
de madrugadas lá fora
com poetas mortos e meus cães.

é uma névoa de sonhos,
fábulas e príncipes
e esse princípio de dor
que me ronda.

meu amor?
é o inverso da flor.

Saramar


Queridos, hoje há um pequeno poema lá no blog do Leo. Se quiser, lê-lo, ficarei muito feliz. Clique aqui.

7 comentários:

Ricardo Rayol disse...

Dolorido minha querida.

Dora disse...

Uma cantiga para um amor "inventado", mas que � um amor, visto que h� diversos jeitos de amar...
E h� diversas formas de se cantar as "diabruras" que esse sentimento � capaz de fazer.
Sua inventidade � tamanha que o tema do amor, em suas letras, parece infinito!!
Beijos ao seu talento e a voc�!
Dora

Lisardo Lopes Gonzalez disse...

Vc tem talento. Bou indicação do Fábio Jardim.

Natália Nunes disse...

Olá, Saramar.

Encontrei seu blog atráves do blog do Tiago.

Gostei muito da sua escrita, lírica clássica, delicada como flor.
Por falar em flor, muito bom o desfecho desse poema.

margusta disse...

Fos-te nomeado(a) para o PRÉMIO CANETA DE OURO - POESIAS "IN BLOG " 2007.
Passa pelo meu blog para conheceres as regras.

Um abraço cheio de amizade!
Margusta

margusta disse...

Ah..voltei para dizer que lá está indicado qual foi o poema escolhido.

Betânia disse...

Parabéns pelo blog, vou consolar-nme de explorá-lo! Boas escolhas de poema e imagem. Combinações interessantes! Talvez queiras dar um salto no meu também.

http://elidhir.blogspot.com/

Betânia Ferreira