DESOLAÇÃO


era ilusão, você disse
e a música me impediu de ouvir.
Agora, não olhe para trás,
é tudo desolação.
rasguei todas as cartas,
é morto o pássaro que me habitava.
o que pensa ser o sol
clareando o chão,
são os pedaços do vestido amarelo
que você gostava.

(rasguei o que tinha à mão).

Saramar

Imagem: Heinecke

15 comentários:

Moita disse...

Ah! Fiquei triste com o poema.

Parece-me que soou uma rima?

Fiquei feliz pela rima.

Uma ruma de cheiro

Joana Dalila Santos disse...

=)

Tiago disse...

Rasgar as mágoas, esgarçar-se, virar ao avesso e expurgar o desamor. Lindo e melancólico poema.

Beijos.

Vieira Calado disse...

Muita melancolia no seu poema. O amor, por vezes, trás essas coisas...

Chiko Kuneski disse...

Belo poema. Tem as duas últimas estrofes perfeitas pra mensagem.

Edson Marques disse...

Saramar,

belíssimo poema!


Hoje eu também falo sobre escritas e leituras.

Gostei do teu comentário no blog MUDE. sobre tua paixão pelos livros.

Abraços, flores, estrelas..


.

luma disse...

Ah Saramar!!
O desamor é pior que tudo!!
Beijus

Márcia(clarinha) disse...

Quanta desilusão!
beijoss

Pepe Luigi disse...

Saramar,
Poema cheio de tristeza profunda, mas gostei.

Um beijinho
do Pepe.

Isabella Benicio disse...

Oi, Saramar!
Gostei muito do teu poema. Na vida há dias de iludir, de cantar, de calar, de rasgar.
Desconstruir um amor não é tarefa fácil mesmo. E quando se deixa que os sentimentos saiam rasgados de dentro como o teu vestido amarelo, a dor passa a doer menos.
E, acredite, um dia passa.
Um beijo,
Isabella

F F Moniz disse...

Olá! Sou escritor e busco amigos com interesse em literatura. Qnd tiver um tempinho, visita o meu blog. Obrigado pela atenção e parabéns pelo seu blog. Até a vista!

Tina disse...

Oi Saramar!

Não sei o que é pior: se te ver neste sentimento ou ser parte dele?

Você ainda tem todas as chances, você tem TEMPO. Não abandone.

Lindos versos, lindos.

beijos querida,

Alcinéa Cavalcante disse...

A dor do desamor deve ser uma das piores.
Belo poema, apesar da tristeza.
Beijos

Ricardo Rayol disse...

rasguem-se as lembranças amargas.

Anne Baylor disse...

Puxa...

Que triste.

Uma maneira tão intensa de escrever que me enruga a testa.

Bjus

=]