AS FLORES QUE NÃO MAIS ME ENVIAS


de que me servem as flores
presas em seus casulos e seivas?
de quem servem se
secam em meu peito
as últimas esperanças
do teu amor morto?
e ainda assim eu te amo,
eu te amo, eu te amo...
como essas rosas
que não mais me envias
(para me dizer de tua saudade)
que insistentes, perfumam
minhas mãos vazias,
minhas costas frias.

por que não me deixa livre,
este perfume de ti?
Saramar

3 comentários:

Edson marques disse...

Saramar,



adorei esse teu poema!


Belíssimo!!!


Abraços, flores, estrelas..

Ricardo Rayol disse...

Sempre explorando ao limite a saudade, adorei.

Um Poema disse...

Quem vê secar-lhe no peito as últimas esperanças, tem um desabafo assim?... Linguagem poética...

Um abraço