AMOR


O outono é primavera, quando
o amor nos toma o corpo e a alma,
transformando folhas caídas
em flores banhadas na seiva vital.
Envolvidos em embriaguez atemporal,
confundem-se nossos sentidos,
bocas são édens;
a pele, poças
e os olhos, andarilhos cegos.
O amor, esse graal
para nossa incompletude,
nutre-se de minúcias,
Um insensato viver
em busca de si mesmo
Que nós, seus servos,
chamamos de felicidade.

1 comentários:

terragel disse...

SARA, é sempre muito bom ler um texto seu e quando é sobre o amor melhor ainda, porque amar e ser amado de verdade é ser verdadeiramente feliz. Pode haver alguma outra coisa nesnte mundo mais merecedora de nossa atenção e dedicação?
Bjs