LÍNGUA


"Young. Old. Just Words"
George Burns


Sua língua provoca a minha.
Mistura-se em meus escondidos mundos,
imiscui-se e se larga. Depois,
o largo dos horizontes o chama.
De sua língua, a cantiga de amor
amarrotada sob a cama.

Apesar das pedras e sacos de areia,
sua língua me invade,
rascunha, rabisca, rasga
e, por fim, delimita meus contornos, seu território
e canta seu canto de conquistador, cordel da vitória.

Sua língua ecoa a minha
e juntas dançam nos verbos, em versos.
e se perdem em conjecturas, sem ligação.
Sua língua-limão, em gotas, em ponta, magoa,
desfaz as metáforas que inventei, suaves.
Nada quer saber de meias palavras
e, violenta, me invade.

Sua língua ressoa na minha,
em minha cantiga de amigo
com ofertas, alimentos,
com flores, com doçuras
e me calo.
Talvez ouça e cantemos juntos
e nem eu saiba onde minha língua
e nem você encontre mais a sua.
Saramar

(a partir de um poema de Ricardo Rayol )

13 comentários:

Ricardo Rayol disse...

Saramar, estou sem palavras para comentar ... belissimo poema, metaforico, exuberante, rico de nuances... fenomenal.. obrigado por me brindar com tão linda répplica.

PELADUZ disse...

Engraçado,

Quantas coisas pode-se fazer com uma língua, além de só falar.
Nunca ninguém me ensinou nada disto.
Estou lambendo meu teclado, tem um gosto de coca-Cola, derramei semana passada.

Mário Margaride disse...

Olá Saramar!

Muito obrigada, pela tua visita ao "Canto poético".

Com a língua, se saboreia
Se sente, o sentir que tem
A outra língua que nós...
Saboreamos, também

Um beijinho

http://avano2006.blogspot.com "Canto poético"

Kalinka disse...

Olá Saramar

Gostei: sua língua provoca a minha!

Mas...
bom, bom, é ir de férias:
ri-me, diverti-me, tentei pôr o sono em dia, e...principalmente não pensei no trabalho.
férias ideais? Se uns encontram energia nas viagens, outros preferem relaxar à beira-mar e mexer-se o menos possível.

Eu... fiz 1000km em 3 dias de viagem, pelo sul de Portugal. Passeei de carro e a pé, descobri lugares lindos e apaixonei-me pela Natureza, cada vez mais.

Já que estava c/a mão na massa...eheheheheh, tirei 88 fotos digitais e outras 48 da máquina antiga.
Vou ter muito material fotográfico para os próximos posts.

Bom fim de semana.
Beijitos.

JPAnunciação disse...

Língua que invade da sua saliva as palavras dispersas num horizonte a dois, donde brota este poema na língua de Camões.
Óptimo!
Um beijo.

Lata Mágica disse...

como sempre ficamos sem palavras para comentar!!!

Um bom final de semana!!

willam & Odilene

ana luiza disse...

Saramar,

Como disse, certa vez, uma poeta minha amiga: "Língua, por que motivo você se disfarça em idioma?".
Adorei o poema
Rogério Viana

cilene disse...

Essa lingua se chama AMOR

luma disse...

Ah esses poetas que tudo vira motivo para poetar! E essas línguas?? Vou pedir para que o Ricardo faça mais poemas que lhe inspire!
Boa semana! Beijus

Carlos disse...

Este entrelaçamento poético é belo. Une palavras como as línguas num demorado beijo, numa idéia, etc. Isso é muito bom!

Mônica Montone disse...

É legal quando um texto puxa o outro, né? Gostei!

beijocas e boa semana

MM

Tina disse...

Oi SaramaR:

Muito bom, porque em tudo há amor.

Poema hot, sensual, caliente. Dá gosto de ler.

beijos querida e boa semana.

Pedro Paulo Pan disse...

, "delimita meus contornos, seu território". teus contornos, são territórios dele. paixão, sincronia...
|beijos meus|