VELHAS PALAVRAS


Uso minhas palavras antigas
que estão a se acabar
em velhos dicionários,
em frangalhos.
Restam poucas
e tudo ainda falta dizer.
Entreguei quase todas
não as soube conter,
e se perderam.
Algumas, afoitas,
afogaram-se no mar.
Uso as palavras que me restam,
inanes, sem sentido ou destino.
Esqueceram-se,
não sabem se encontrar,
cansadas de procurar
o elo, o verso, o riso.
Saramar

Imagem: Weisenflut

9 comentários:

JPAnunciação disse...

Cara Saramar,
Velhas palavras... cansadas, mas que ainda emprestam a sua força a este excelente poema.
A busca do "elo, o verso, o riso" nestas palavras que nos restam e nos bastam.
Um beijo

José disse...

Olá, Saramar!!
Suas palavras maravilhosas são, pois verdadeiras em riqueza de conhecimento são...
Agradecido, José

cilene disse...

eu perdi totalmente as palavras...so continuo usando as poucas que me sobraram...infelizmente

Tina disse...

As palavras são tudo:até mesmo um silêncio diz muito.

Lindos versos, Saramar.

beijos,

moacircaetano disse...

palavras morrem e renascem, mudam de forma...

Jussara Gehrke disse...

é mesmo um prazer "ver" como vc usa suas palavras...
bjs
ju

Ricardo Rayol disse...

Saramar, palavras vem e vão, gestos flutuam, mas a conjunção dos dois se firma.... para sempre


PS: Desculpe Saramar mas que comentário mais piegas valha-me Deus. Depois volto e faço algo decente.

Mônica Montone disse...

Quando elas desistirem de procurar vão encontrar, é sempre assim, rs*

beijos, querida e até

MM

PELADUZ disse...

Bom dia,

Nada como antigas cartas de amor, amareladas e já sem perfume. Mas quantas recordações!

bjs