EXÍLIO


Tão longe estás dos olhos meus
nem os murmúrios de sua saudade, ouço.
Se alcanço o sentir do seu amor distante
é na alma, é na pele, é na boca que o sinto
é nas noites, é nos meus seios frios,
ausentes dos beijos, do calor, dos anseios
de seus lábios errantes.
Saramar

Imagem: Picasso

Queridos, convido-os a me visitar também aqui, onde passo a colaborar regularmente.

5 comentários:

Kalinka disse...

Hoje, dia 7 - um post especial num dia também especial - para minha Mãe. Convido-te.

A vida é uma passagem sim, feita de lugares certos e errados, palavras ditas e não ditas, correctas ou não, mas que com elas construimos essa vida e esse caminho da vida de um tempo que não volta mais...
fica apenas o sabor doce e/ou amargo de algumas palavras em momentos certos ou errados....

Beijos e abraços.

MARIA VALADAS disse...

O poema é doce e suave!
Sublime!

Escolheste bem a réplica de Picasso!

Parabens!

Beijos da
Maria

Silvio Vasconcellos disse...

Que fluidez de versos, lirismo á flor da pele, romantismo e saudade.

Lindo, Saramar, lindo.

Tigrão disse...

Oi,

Não dá para passar sem comentar.

Mesmo que seja só para dizer que estou voltando mais vêzes.
Bjs.

DE PROPOSITO disse...

O longe se faz perto, e o perto se dissipa.
Fica bem.
Um beijinho para ti.
Manuel