CAIS


Meu barco em pedaços,
sem tesouros, sem conforto,
sem esperança de descanso,
anda em busca de novo porto
um lugar onde ancorar,
onde guardar os destroços
de tantos sonhos naufragados
de tanta ilusão desfeita,
de tantos escolhos e ais.

Meu barco em pedaços
já procurou tantas terras
onde envolver-se nos laços
de algum amor para sempre.
Sem guarida, meu barco,
nunca encerra sua busca,
navega continuamente e
nunca encontra um cais.
Saramar

Imagem: Baixaki

6 comentários:

José disse...

Sou terra, mas seu não sou e você minha não é...
Beijos, José

celina disse...

comecei a comentar, surgiu poesia.
vou plantar nos neurotóxicos.
espero que goste, é toda sua.
obrigada pela inspiração.

Sueli disse...

Seu barco flutua com tanta poesia e, apesar de não encontrar um cais, com certeza, também nunca afunda. Beijo grande (voltei, viu?)!

Thulio disse...

Oi...
Já passei no outro blog...
Passando aqui para aproveitar mais os seus poemas. xD
beijo.

Francisco Dantas disse...

Valeu, Saramar. Gosto desse tom. Um beijo.

Pedro Pan disse...

, há de encontrar. vai encontrar...
|beijos meus|