VIAGEM


Minha viagem começa
quando finalmente chego
em seus braços de mar.
O ar me falta, o fôlego
de caminhante cansado
que se apressa
ao perceber tão próximo,
o amado.
O ar se aquece
e é cerco,
é circo
e cerca a me tomar.
Em seus braços me deito.
São leitos, os seus braços
de deleite, de cansaço,
de viagem a começar.
Saramar

Imagem: Marc Chagall

10 comentários:

Bosco Sobreira disse...

O eterno recomeço! O amor é sempre o início e o fim e... o meio. O que nos humaniza, o que dá sentido à vida.
Lindo poema, minha querida Poeta!
Beijos afetuosos!

Dono do Bar disse...

Eu, transformdo em um monge? Terá que pensar muito, amiga. Fique tranquila, jamais brigaria com uma pessoa de tamanha doçura.

Tenha uma ótima quinta.
Beijos.

DB.

Vera disse...

Belíssimo poema, querida Saramar! E com umas metáforas adoráveis!

"Em seus braços me deito.
São leitos, os seus braços
de deleite, de cansaço,
de viagem a começar."

Adorei!

Mil beijos

Mário Margaride disse...

Olá Saramar!

Que beleza de poema!

"Em seus braços me deito.
São leitos, os seus braços
de deleite, de cansaço,
de viagem a começar."

Lindo!

Beijinhos

Mônica Montone disse...

Essas são as melhores viagens!

beijos, querida

MM

Lusófona disse...

São leitos, os seus braços
de deleite, de cansaço,
de viagem a começar.

Lindo, lindo!

Beijinhos

marcelo disse...

Suas letras sempre aceitas
Feitas de laços e abraços
Me deleitas, sem cansaço
Essa viagem não há de terminar

Blogue da Magui disse...

O bom é que ainda tem homens assim.Ô trem bão!!!

Ricardo Rayol disse...

Como sempre maravilhoso e caprichado.... mas.... :-)

Jussara Gehrke disse...

nada como braços para começar uma linda viagem...