SILÊNCIO


Da saudade já disse
e da boca nua e fria
de desolação.
Adormeço as palavras na pele
na mudez de todo dia.
O silêncio espanta o sono
guardado no verbo insensato
de quem ama o desvario,
de quem planta o pranto.
Já mais não falo
meu silêncio agoniado
dói nos olhos da noite.
Insone sigo
olhando a dor por dentro.
Saramar

11 comentários:

Ricardo Rayol disse...

essa deve ser a pior dor

Anônimo disse...

Insone?!! Não percebo..

Tina disse...

Oi Saramar!

..."sigo...olhando a dor por dentro".

É algo indescritível. Você o fêz. Obrigada.

beijo grande, bom fim de semana,

Georgia disse...

Saramar, "já nao falo mais meu silencio agoniado"..., tenho me sentido assim com as criancas doentes por aqui com uma alergia que chega junto com a primavera: Pólen.

Espero que esteja bem por ai e nao se preocupe sempre haverá uma outra oportunidade para se falar sobre o assunto.

Bom fim de semana

Zeca disse...

Saramar,

cada novo poema, novos sentimentos afloram e comovem. Tanta delicadeza e sensibilidade deram a este "silêncio" um ritmo invejável.

Beijo. Carinho.

Bosco Sobreira disse...

Voltei, minha querida Poeta. Voltei para o alimento diário de tua sensibilidade. Faz bem à alma.
Um beijo afetuoso e carregado de saudade,

poetaeusou . . . disse...

*
o silencio,
do pensar,
,
conchinhas
,
*

O Profeta disse...

Porque sonhas com o outro lado
Enches o vazio da eterna espera
Amas quem não podes ter
Pintas de realidade a quimera


A liberdade do pensamento vive entre dois mundos…


Convido-te a conhece-la…


Bom fim de semana


Mágico beijo

Mimi disse...

Essa arte que vc tem de transformar palavras em sentimentos, ai...

é tudo de lindo, tudo de bom

Beijo, Saramar

Anônimo disse...

INSONE, adj. Poét. Que tem insónias. Em que não há sono. (Lat.insomnis).

Abraço deste lado do mar.


jalves

Nenos disse...

See Please Here