DESUMANIDADE


Em algum lugar morto
jaz uma boneca sem dono
Seus olhos incapazes de chorar
brilham sobre o tapete
em incompreendida solidão,
órfã de eterna infante.
Nunca mais mirará
os olhos de cuidado e deleite
que brilhavam como os seus
no entanto diferentes.
Hoje, todos os olhos são inúteis
e não haverá nenhum balão
de feliz aniversário.
Saramar

Imagem: Vivi Tesche (Flick)

17 comentários:

Tigrão disse...

Querida amiga,

Veja que felicidade, nos econtramos na mesma hora em um outro blog.
Saudades de vc.
bjs

Márcia(clarinha) disse...

Em muitos lugares bonecas perdem o brilho do olhar, mas ainda sim, sorriem para a vida.
noite de paz doce Saramar
beijos

Mimi disse...

Esse poema me lembra tristemente o noticiário destes últimos dias...

Saramar, não sabia desse outro blog teu!

Vou linkar também e obrigada por ceder sua poesia. Já está lá!

beijo

Clítia disse...

Triste verdade de nossos dias.
Cruel.
bjs

Angela Ursa disse...

Saramar, é uma desumanidade mesmo o que fizeram com a menina! Difícil de aceitar e imperdoável!!
Beijos da Ursa

kalincka Marques disse...

Gostei. Adorei. Muito mesmo! VC É UMA ARTISTA.

tita coelho disse...

Triste demais Sara...
A poesia está lindamente construída, dá para sentir a dor nas linhas!
beijos

Odele Souza disse...

Isabella, uma criança saudável que perde a vida por falta de amor. Impossível compreender.

Um beijo Saramar.

Léo Scartezzine disse...

É exatamente assim. Infelizmente assim. Você sabe dizer as coisas como nenhum jornal diria.Parabéns
(meu doce).

poetaeusou . . . disse...

*
melancolia
das bonecas sem cabeça,
de tanta imaginação,
presente em nós,
e
ausentes
das bonecas tecnológicas
com cabeças sem mensagem,
,
conchinhas
,
*

dácio jaegger disse...

Em meio à tristeza geral sabemos que o inanimado pode ser lido na sua sensibilidade por perder o amparo de uma vida especial.
Beijo

Marcos disse...

Não, Sara, esse é um daqueles atos que só os humanos realizam.

Zeca disse...

Triste demais, Saramar! Tão triste quanto inconcebível! Ainda não consigo acreditar que o pai e a madrasta tenham tido coragem de deixar "uma boneca sem dono... órfã de eterna infante." Beijo.

Alcinéa Cavalcante disse...

Fiquei com um nó na garganta ...
Sem comentários

Tina disse...

Oi Saramar!

Realmente não haverá (houve) nenhum balão: são mundos diferentes,de quem não VIVE gente.

beijo grande querida,

cilene disse...

Triste seu poema amiga. Oh vida triste amiga, oh mundo triste, ou tristeza de mundo, um beijo

Achados & Perdidos disse...

Superbonito, Saramar !