A ALGUÉM

Alguém diz com lentidão:
" Lisboa, sabes..."
Eu sei. É uma rapariga descalça e leve,
um vento súbito e claro nos cabelos..."
Eugénio de Andrade



A alguém, um único alguém, importam todos os versos.
Se, por acaso, desarvorado, outro alguém degusta a ânsia
das minhas palavras espalhadas em arremedo de poemas
e nelas bebe o que me sacia e me abre os céus do amor,
percebe logo, em uma ou outra linha dispersa e morna,
que todas as luas acesas e os beijos estão encantados
do feitiço mais improvável.

Não me culpe, nem queira desvendar meu sentir,
se, porventura, alguma palavra tange a corda do querer
e desperta o desejo de amor semelhante a este meu amor
que não se cala, antes abre-se como portas arrebatadas pelo vento.

Não, não me culpe e nem me peça o que já não me pertence.
O meu amor, insubmisso e alheio ao que lhe nega o existir,
anda perdido pelos caminhos, buscando os rumos
de quem o tomou sem pressentir.
Saramar

Imagem: Fuessli

20 comentários:

poetaeusou . . . disse...

*
pressinto,
que “esse” alguém,
busca a viagem do retorno,
,
conchinhas
,
*

Defensor disse...

Salve!
Também o meu amor anda perdido em tortuosos caminhos.
Belo texto, sem palavras!
Abraços

Chiko Kuneski disse...

Um lindo poema postado na solitária madrugada.

Cris disse...

Lindo, Saramar.
Cada um de nós possui uma amor assim, tomado sem o pressentir.Só que vocês poetas o sabem sentir como ninguém .
Ótima semana e um beijão.

Alessandra disse...

lindo, é como se dissesse para "alguém", o amor se dá não exige, e se exige não exija mais do que ele pode dar...

Vieira Calado disse...

Belo poema!
Gostei muito.
Bjs

Ricardo Rayol disse...

eu mesmo queria revelar o meu sentir, minha gurua.

Lia Noronha disse...

Saramar: uma viagem sem volta ...rumo ao amor!!!Bjus carinhosos.

Moita disse...

Sem comentário.

Só comento a paixão que me brota da essência das palavras.

Zeca disse...

Saramar,

perdido entre quadros, exposições e viagens, tenho andado no meio das artes, mas daquelas das tintas, das formas. Ando um pouco afastado das artes sutís das palavras, que pintam sentimentos, dão-lhes tons e sons. Após tantos dias longe destes belíssimos poemas, refiz-me dessa ausência lendo-os todos e aquecendo um pouco o coração, que anda um tanto desarvorado.

Beijos. Carinho.

KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...

Salve Sara!
Saudades daqui...
Alegria por ver que continua lindo.
beijo e luz

Anônimo disse...

Saramar, quem é que culpa?!

Um dia quem sabe...haverá encontro nestes desencontros.

Um beijo,
miguel

Sônia disse...

Adoro esse, já tinha lido lá no Suite Blog.



Abraço Saramar!

GLORIA CUNHA disse...

AMIGOS

Venho em nome da minha irmã Elisabete Cunha que hoje ás 15 horas recebeu um tiro no ombro defendendo-se de um assalto no seu carro e encontra-se na UTI,meu intuito é uma corrente POSITIVA para que ela se recupere o mais rápido possível.

obrigada!

gloria cunha

elisabetecunha1967@yahoo.com

Sonia Regly disse...

Saramar lindo!!!!
Vou linkar esse também, amei!!!!

scaramouche disse...

:)

gostei.

scaramouche.

Clecia disse...

Que lindo...Bjs e um lindo domingo!

meg disse...

Amiga Saramar,

Lindo! mas com um fim improvável?

Não, não me culpe e nem me peça o que já não me pertence.
O meu amor, insubmisso e alheio ao que lhe nega o existir,
anda perdido pelos caminhos, buscando os rumos
de quem o tomou sem pressentir.


Sem pressentir? É o drama, minha amiga!

Um abraço

un dress disse...

ainda asim amar.

só.

a penas... ~





beijO

Brancamar disse...

Belíssimo texto minha amiga!
Faz tempo que não vinha ao seu espaço sempre tão belo. Pouco tempo para me dedicar à blogosfera.Estou a tentar reactivar as minhas visitas. Tive saudades de estar consigo. Acho que você é uma das brasileira que conheço com mais conhecimentos de literatura portuguesa. Muitas vezes a vejo referir Fernando Pessoa, Eugénio de Andrade e outros.
E, os seus textos sempre são de uma profundidade imensa.
Cruzei-me consigo há tempos no espaço de Odele e admirei também o ser bonito que é.
Quero voltar mais vezes, assim a minha vida mo permita.
Beijinhos